Isabela Sousa é a Miss Activo Cup 2019 repetindo o triunfo na Costa Nova

A brasileira Isabela Sousa, que representa o Estoril Praia, revalidou o título de Miss Activo Cup do Campeonato Europeu de Bodyboard, ao vencer, novamente, na final a espanhola Teresa Padilla Miranda. No «remake» da final de 2018, mas com condições de mar completamente diferentes, a quatro vezes campeã mundial e campeã europeia em título somou a sua quinta vitória consecutiva no Europeu de Bodyboard, prova sob a égide da European Surfing Federation, contando com triunfos nas duas provas realizadas no presente Campeonato a que soma as três da última edição.

Isabela Sousa esteve sempre muito forte e desde o início da competição na véspera deu sinais de querer revalidar o título na praia da Costa Nova, em Ílhavo.

Na meia-final, frente a Mariana Rosa, uma entrada de leoa deu-lhe a vantagem suficiente para gerir, vencendo com um «score» de 13.10 pontos contra o 9.17 da portuguesa.

Antes, na primeira meia-final do dia, a espanhola Teresa Padilla Miranda (12.50 pontos) também se superiorizou de forma clara à outra portuguesa ainda em prova, Teresa Padrela (9.77).

Na final, a campeã europeia em título voltou a entrar muito forte, fazendo duas ondas (5.00 e 7.50 pontos), que a destacaram na liderança, com a espanhola a demorar a responder, fazendo, então, com uma onda pontuada com um 4.00.

No final, Isabela Sousa fecharia o campeonato com um «score» de 13.57 pontos contra o 8.84 de Teresa Padilla Miranda.

Triunfo categórico da brasileira que se torna bicampeã da Miss Activo Cup Europeu de Bodyboard, que nesta 15ª edição contou ainda com mais três campeãs do Mundo, que caíram nas duas primeiras rondas.

“O mar pequeno e difícil propícia as surpresas e elas foram vítimas disso. Há também o factor sorte e acho que eu tive a sorte de não sofrer nenhuma surpresa… Por outro lado, a nova geração de bodyboarders portuguesas está muito forte”, comentou Isabela Sousa, que com mais este triunfo reforça a sua liderança no Europeu.

De referir ainda que a Miss Simpatia 2019 em bodyboard é Mariana Rosa, 16 anos, e terceira classificada (9.17 pontos), «ex aequo» com Teresa Padrela (9.77 pontos), resultado alcançado nas meias-finais.

No total do Europeu de Bodyboard foram surfadas 217 ondas (uma excelente e 11 boas), com Madalena Padrela a conquistar a melhor de toda a prova, ainda na primeira ronda, que recebeu 8.17 pontos dos juízes.

Hoje foi ainda dia de as atletas candidatas ao «wild card» da organização para o quadro principal do Campeonato Nacional de Surf (Liga MEO) entrarem em acção e Raquel Vale, de Viana do Castelo, foi a grande vencedora.

A jovem de 16 anos vai ter a companhia de Natasha Vieira (13 anos), segunda classificada no «trial», uma vez que abriu uma vaga no quadro principal da Liga MEO.

A partir de amanhã o título nacional de surf feminino estará na água, onde se espera forte competição e excelente surf.

A chamada na praia está marcada para as 9h00.

 

DECLARAÇÕES DAS ATLETAS BODYBOARD

ISABELA SOUSA (1º lugar) – “Como sempre é muito bom surfar aqui na Costa Nova. Este ano estavam condições completamente diferente das do ano passado, que estava um mar grande, sendo que este o mar esteve muito pequeno. Sinto-me muito bem a competir em Ílhavo e isso é muito bom para estabelecer conexão com o mar. O mar estava pequeno e difícil, o que é propício a surpresas. Ter mudado para Portugal tem-me permitido treinar melhor e acho que estou no caminho certo. Acima de tudo sinto constante no meu surf”.

TERESA PADILLA MIRANDA (2º lugar) – “Foi bom… No primeiro dia esteve melhor, hoje o mar estava muito pequeno. Na final começou a soprar um pouco de vento e ficou mais difícil. Tive dificuldade em encontrar as ondas certas. Gosto deste campeonato porque a organização é muito completa e junta várias modalidades como o bodyboard, o surf e o slackline. Depois, o facto de ser só feminino é muito bom, porque não estamos dependentes da competição dos rapazes”.

TERESA PADRELA (3º lugar) – “Foi bom, mas eu gosto sempre de vir a este campeonato, independentemente do resultado que conseguir. Estou contente com o terceiro lugar, até porque não foi fácil. Aqui, estamos a competir com as melhores. No primeiro dia estava melhor, hoje foi difícil encontrar as ondas”.

MARIANA ROSA (3º lugar) – “Foi um bom resultado, até porque foi difícil frente a boas atletas. É sempre bom entrar em provas internacionais porque dá para melhorar o nível. Na meia-final defrontei a atleta que mais admiro e foi bom, porque deu-me motivação para melhorar o meu surf, uma vez que ela tem um nível muito elevado”.

GIOVANNA PETRUCCI VENCE NO GIBLINE

Duas competições disputadas, dois triunfos para a campeã do Mundo Giovanna Petrucci. Ontem, a brasileira logrou conseguir o melhor tempo na competição de Speedline e, hoje, arrebatou o primeiro lugar na variante Jibline, prova a contar para as Gibbon Jibline Series, do Global Balance Challenge.

Giovanna Petrucci exibiu-se em alto nível, pois só assim conseguiu bater na final a peruana Rosa Tokumoto (2ª classificada), a canadiana Carine Lequy (3ª) e a francesa Claire Irad (4ª).

A prova que decorreu ao longo da tarde foi alvo da muita atenção por parte dos veraneantes que se aglomeraram no local de competição e emprestaram uma moldura humana muito interessante ao evento, transmitindo grande entusiasmo às atletas.

Amanhã arranca a competição de Trickline, a mais aguardada pelas competidoras, até porque agora conta para a ISA Women’s World Cup (powered by Spider Slacklines).

Como o próprio nome indica, nesta variante, considerada a disciplina-rainha em termos competitivos, o objectivo é realizar acrobacias e sequências de manobras numa cinta de 22 metros de comprimentos e 5 centímetros de largura, fixada a pouco menos de dois metros de altura do solo.

Bonifica a performance das atletas a amplitude dos saltos, a diversidade e a dificuldade técnica das manobras e, entre outros aspectos, os chamados «revert» (leia-se, reversão da manobra realizada, ou seja, os denominados «frontflip to backflip» e «frontside to backside», entre outros). Em sentido contrário, penalizam os toques no solo, as paragens de sequência e as repetições de manobras.

Amanhã, na praia da Costa Nova, realiza-se a fase de apuramento, repartida por dois heats (manhã e tarde), para selecionar as seis finalistas. Em cada um dos heats, duas atletas de cada vez dispõem de dois minutos, que gastam alternadamente com a oponente directa na cinta.

A classificação da primeira fase é definida pela melhor pontuação alcançada em um dos heats.

A avaliação segue as regras da American Slackline Association (ATA) e é da responsabilidade da sua delegação francesa. A ATA é a entidade que superintende as regras para as competições de Slackline a nível mundial.

Espectáculo garantido até domingo na slackline da MISS ACTIVO CUP.